Mais que a ‘cultura do estupro’: a cultura da violência, a cultura da falta de amor


Porque é necessário sair da superfície e ir ao fundo desse mar, entender como as coisas acontecem.

ENQUANTO GRITAMOS EM VOZ ALTA APONTANDO CULPADOS PARA O CASO DO ESTUPRO, defendemos nossas posições, partidarizando tudo… E as vítimas, trancadas, apenas choram. Não apenas a do tal estupro, o último caso de repercussão, que está fresquinho em nossas mentes, mas todas as outras vitimas. De todos os outros casos. De todos os outros estupros. De todos os outros tipos de violência.

Aliás, já parou para pensar em quantas pessoas nesse mundo estão sofrendo algum tipo de violência neste exato momento? Entre mulheres, homens, crianças, nações inteiras… Por meio de violência sexual, guerras, repressão, ditaduras, até mesmo por meio das religiões, que deveriam pregar o bem…

Eu, em algum momento da minha vida, achei que a discussão poderia nos deixar mais inteligentes, mas vejo que elas estão nos deixando mais burros, porque eu vejo que as pessoas não conseguem sair da superfície, e esquecem do problema em si para defender o seu “lado da razão”. É como olhar para o rio Tietê: a cor do rio é o resultado do que existe em seu interior. A cor e o cheiro do rio são uns dos problemas, mas não são as causas. Continue lendo “Mais que a ‘cultura do estupro’: a cultura da violência, a cultura da falta de amor”

Anúncios

O ‘sexo desvirtuado’ é a raiz da ‘cultura do estupro’


Queria comentar à respeito do caso da garota estuprada, mas sem cair no campo das mesmices que tenho ouvido nesses dias. Pensei, inclusive, em não dizer nada à respeito. Afinal, ainda defendo a máxima do “se você não tem nada a dizer, então fique calado”. Mas, após pensar sobre o assunto, algo me veio a mente. Continue lendo “O ‘sexo desvirtuado’ é a raiz da ‘cultura do estupro’”

Quando fracassar é a melhor coisa


Uma vaga na Federal? Quem não quer? Quem abriria mão?

Desde cedo, a universidade foi minha meta. Desde as primeiras boas notas no ensino fundamental, desde a minhã mãe dizendo que tinha que ser alguém na vida. Quis ser muita coisa, desde então. Quis ser professor, mas me assustei com o caos da educação pública. Quando criança, queria escrever. Mas, não se como, esse sonho foi se perdendo através dos tempos. Talvez porque quase ninguém tem escritores bem sucedidos (leia-se: gente que consegue pagar suas contas apenas escrevendo) entre seus vizinhos. Quis enveredar pelos caminhos da publicidade, mas me disseram que jamais venceriam as “panelinhas”, por mais que pouco entendesse o que isso significa. Tentei até o design, mesmo sem saber desenhar um circulo com o fundo de uma garrafa. Mas é o que se faz quando se tem apenas 18, o melhor ENEM de sua escola e uma bolsa de 100% do Prouni. O problema não era o Prouni, e sim eu, que não sabia o que fazer com ele.

Gostava de computador. De computador, não de facebook. Gostava de saber como eles funcionam. A lógica por trás deles. Toda a coisa do digitar algo na barra de endereços e o mundo aparecer no seu navegador. Assim, em 2011, tinha uma vaga na concorrida UFSCar, no concorrido curso de Sistemas de Informação. Tinha uma vaga EaD, na verdade. Mas a grade era a mesma, os professores eram os mesmos. Bom! Continue lendo “Quando fracassar é a melhor coisa”

Quando se fala em virgindade…


QUANDO SE FALA EM VIRGINDADE, LOGO PENSAMOS EM SEXO, e como prezamos por essa pureza! E glória a Deus por isso. Está certissimo! Isso é bíblico!

Mas, você já parou para pensar que talvez nem todo o virgem é puro?

Para você entender onde estou querendo chegar, primeiramente temos que pensar no que significa virgindade. É mais do que não ter relações sexuais. Bem mais que isso.

Algo “virgem” é algo que nunca foi usado, danificado, manchado, rasurado, avariado. É algo novo.

Tudo o que é novo é mais caro. Carros, por exemplo. É notória a diferença entre um carro zero, com aquele cheirinho de novo, mecânica perfeita, peças novinhas, sem um arranhão; e um carro usado, que por mais conservado, vem com um amassadinho aqui, um arranhaozinho ali, uma engrenagem velha que vai dar defeito logo, um rasgadinho no banco… Continue lendo “Quando se fala em virgindade…”

Blogueiros também namoram…


É MUITO FÁCIL ESCREVER SOBRE “NAMORO CRISTÃO”, ATÉ O DIA EM QUE VOCÊ COMEÇA A NAMORAR… Verdade! Digo isso por experiência própria! Até porque todos nós sabemos basicamente o que é certo e errado em relacionamentos. Nós conhecemos a “receita de bolo”.

Mas a vida não é uma receita de bolo, amigos..rsrs.

É difícil aplicar na prática o viver a dois. O “amar” é bem mais amplo do que as músicas sertanejas pregam. Você passa de fato a viver e se preocupar com alguém, como nunca antes. Sentir as mesmas dores, chorar os mesmos choros.. E também dar glória a Deus em alta voz pelas mesmas vitórias! E como isso é bom! É a melhor coisa do viver a dois, ainda que esse “viver” seja apenas um namoro, ainda.

Descobri que é fácil perguntar “quando vai sair o bolo?”, ou até julgar quem tá demorando quando não é você que tem o desejo imenso de se casar com quem você ama, mas vê um muro de falta de condições que só a fé em Deus pode ajudar a transpor. Assim como é fácil “pregar santidade” quando você não está sendo constantemente tentado pelas vontades do seu próprio corpo… Não só do seu, na verdade.. Assim é na vida de jovens com funções biológicas saudáveis..rsrs.

Enfim, tudo isso é fácil de se falar e de se pregar, escrever, postar, e até julgar. Difícil é viver na prática. Aquilo que hoje chamamos de namoro, é o início da vida a dois, o início do amor, o início do companheirismo, o início de sentir as mesmas dores e alegrias.

É o início de uma nova família.

Falamos sobre namoro aqui na página e no blog. A bíblia tem conselhos gloriosos para todos nós. Na verdade, postei bem menos sobre esse tema nesse ano. Foi um ano de viver e refletir sobre experiências.

Para terminar, primeiramente agradeço muito a Deus pela minha namorada, futura esposa, a Sâmia, minha companheira em todas as horas, e minha leitora número um (o que é um peso terrível, pois se o “Bruno do Eita Mocidade” escreve coisas bonitas, é graças ao Espírito Santo de Deus, porque o Bruno não tem nada de especial, e é apenas mais um tentando seguir os conselhos que escreve, nem sempre com sucesso…).

E também quero terminar esse texto pedindo a todos algo sério: oração. Orem por todos os jovens que estão namorando, noivando, casando… Ore para que eles encontrem a guia de Deus nisso tudo, e que Deus os sustente em santidade, verdade, fidelidade, amor, cumplicidade… Que cada namoro seja o início de uma família, de uma história linda, escrita por Deus. Se você perceber algum casal mais fraco, não julgue, ore.

A oração de um justo pode muito em seus efeitos. Foi Tiago quem disse isso, não foi?

Publicado do WordPress para Android

Casamentos na bíblia: Noé e sua esposa


Nesse mesmo dia Noé e a sua mulher entraram na arca… (Gênesis 6:13 – NTLH)

CASAR É EMBARCAR NA MESMA LOUCURA! NA MESMA FÉ! É isso o que a bíblia nos aponta em diversos episódios.

Casar é mais que juntar corpos. É juntar vidas, planos. É juntar fé e compartilhar das mesmas provas.

É fácil entender isso quando olhamos para a vida de Noé, por exemplo. Um homem que recebeu uma revelação “maluca”: construir uma arca colossal, longe do litoral, arca essa cujo todos os animais – irracionais – procurariam “por si só”, antes da grande chuva que cairia sobre uma terra que nunca via havido chuva.

Relacionamento não é passatempo!


Sabemos que essa é uma idade de descobertas, novos sentimentos, relações e ideias. Mas relacionamentos envolvem RESPONSABILIDADES. A vida nem sempre apresenta uma segunda chance. É possível desmanchar um namoro que deu errado e ingressar em outro com sucesso, mas e uma gravidez aos 14 anos? Como é que faz? E uma doença venérea então?

Relacionamento não é passatempo, não é brincadeira de criança. Relacionamentos com pessoas que não sabem cuidar de nossos sentimentos podem deixar marcas por toda uma vida. E aí, é só Jesus para curar…

E, de fato Ele cura! Confie!

Mas talvez você não precisa passar por isso. Talvez você não precise aprender pela maneira mais dolorosa. Já parou para pensar que os conselhos dos seus país podem estar certos? Já parou para pensar que a palavra de Deus pode estar correta quando ela diz “espera!”?

Não existe idade certa para iniciar um relacionamento. Cada um amadurece ao seu tempo. Conheço gente adulta com 15 anos, e adolescentes de 30. Mas, vá com calma! Talvez seja hora de rever suas prioridades. Talvez se amarrar às responsabilidades de um namoro aos 15 anos, por exemplo, seja cedo demais. Talvez seja hora de focar nos estudos, fazer amigos, conhecer gente, e principalmente, servir a Deus e conhece-lo melhor.

Sei que esse conselho não serve para todos. Cada caso é um caso, e cada um amadurece ao seu tempo. Mas já vi muita gente saído ferida de namoros precoces.

Busque a Deus, antes de mais nada. Esse é o melhor dos conselhos.

(Assuntos como esses você encontra no nosso livro “Seis Textos Para Elas”, no Wattpad, clicando aqui)