A tal cena de sexo gay da novela da Globo, exibida nos últimos dias, mais uma vez deixaram evangélicos em estado de inquietação e revolta. Já comentei a respeito em um texto anterior por aqui, e prometi um texto mais elaborado, com referências bíblicas e tudo mais. E aqui está. O que me chama a atenção é a forma como apenas as cenas gays deixam cristãos revoltados com relação à novelas, enquanto as outras tramas, que exaltam todo o tipo de pecado, são engolidas por nós, crentes, sem cara feia.

Quero convidar você, leitor, a investir os próximos minutos em um breve passeio pela bíblia. Vamos verificar se apenas a cena de sexo gay é abominável, ou se todo o tipo de pecado é abominável aos olhos de Deus, e assim vamos tentar entender porque alguns pecados são mais abomináveis que outros, ao nossos olhos.

Para começar, quero convidar-te para um passeio por uma cidade não muito amigável, da qual certamente você já ouviu falar. Vamos para Sodoma?

SODOMA

“Aí o Senhor disse a Abraão:

— Há terríveis acusações contra Sodoma e Gomorra, e o pecado dos seus moradores é muito grave. Preciso descer até lá para ver se as acusações que tenho ouvido são verdadeiras ou não.” (Gênesis 18:20-21, NTLH)

Deus disse essas palavras a Abraão um dia antes de destruir as cidades de Sodoma e Gomorra por causa do seu pecado. Mas, qual era mesmo o pecado de Sodoma e Gomorra?

Aprendemos desde sempre que o pecado de Sodoma e Gomorra tinha a ver com sexo, e com sexo homossexual. E, de fato, essa definição não está errada. É o que podemos comprovar examinando melhor as escrituras. O capítulo 19 de Gênesis, onde há o desdobramento dessa história, nos mostra uma cena que comprova essa teoria. Deus enviou dois anjos a Sodoma, para resgatar a família de Ló, parente de Abraão, antes que as cidades fossem destruídas. Ao ler essa capítulo, vemos uma cena chocante:

“Mas, antes que eles fossem dormir, todos os homens de Sodoma, tanto os moços como os velhos, cercaram a casa. Eles chamaram Ló e perguntaram:

— Onde estão os homens que entraram na sua casa esta noite? Traga-os aqui fora para nós, pois queremos ter relações com eles.” (Gênesis 19:4-5, NTLH)

A Bíblia relata aqui que todos (isso mesmo: todos!) os homens daquela cidade – tanto jovens como velhos -, ao saber da presença de dois homens estrangeiros (que na verdade eram anjos) na casa de Ló, cercaram a aquela casa na intenção de estuprá-los.

Em desespero, Ló chega a oferecer as suas filhas aos homens, na tentativa de proteger os anjos. Mas aqueles homens maus recusam: eles queriam os dois visitantes, homens, estrangeiros, e ainda ameaçaram fazer com Ló pior do que fariam com os anjos. Mas as filhas de Ló não precisariam ser sacrificadas e Ló não pagaria com seu próprio corpo, pois eram os anjos que estavam ali para proteger Ló, e não o contrário:

Ló saiu para falar com os homens. Ele fechou bem a porta e disse:

— Por favor, meus amigos, não cometam esse crime! Prestem atenção! Tenho duas filhas que ainda são virgens. Vou trazê-las aqui fora para vocês. Façam com elas o que quiserem. Porém não façam nada com esses homens, pois são meus hóspedes, e eu tenho o dever de protegê-los.

Mas eles responderam:

— Saia da nossa frente!

E diziam uns aos outros:

— Esse homem é estrangeiro e quer mandar em nós!

Depois, virando-se para Ló, disseram:

— Pois agora vamos fazer com você pior ainda do que íamos fazer com os seus hóspedes.

Os homens de Sodoma se atiraram contra Ló e chegaram perto da porta para arrombá-la. Mas os visitantes pegaram Ló, e o puxaram para dentro da casa, e fecharam a porta. Em seguida eles fizeram que os homens, tanto os moços como os velhos, que estavam do lado de fora, ficassem cegos; e assim não conseguiram encontrar a porta.

(Gênesis 19:6-11, NTLH)

O relato acima nos deixa bem claro como o sexo imoral fazia parte da cultura imoral dos Sodomitas. E talvez, até mesmo o incesto das filhas de Ló, que embebedaram o próprio pai para ter relações com ele (Gn 20), nos mostram duas moças que cresceram sob influência de uma cultura tão imoral que não viram grandes problemas em fazer o que fizeram.

ABOMINAÇÃO É

Séculos depois, Deus deu a Lei a Moisés, onde todas essas formas de sexo, consideradas imorais por Deus, ficaram expressamente proibidas. Levítico 18 cuida exclusivamente disso: relações sexuais ilícitas. E entre elas está a relação “homem com homem”, além das relações entre parentes em primeiro grau. A tradicional versão da Bíblia Almeida Revista e Corrigida completa com o termo “abominação é”:

“Com varão te não deitarás, como se fosse mulher: abominação é.” (Levitico 18:22, ARC)

Mas, será que apenas “deitar homem com homem” é considerado abominação perante Deus segundo a Bíblia? Uma busca apenas, nessa mesma tradução, e vemos que outras coisas também são abomináveis para o Senhor.

Então, edificou Salomão um alto a Quemos, a abominação dos moabitas, sobre o monte que está diante de Jerusalém, e a Moloque, a abominação dos filhos de Amom. (1 Reis 11:7, ARC)

As imagens de escultura de seus deuses queimarás a fogo; a prata e o ouro que estão sobre elas não cobiçarás, nem os tomarás para ti, para que te não enlaces neles; pois abominação são ao Senhor, teu Deus. (Deuteronômio 7:25, ARC)

E Moisés disse: Não convém que façamos assim, porque sacrificaríamos ao Senhor, nosso Deus, a abominação dos egípcios; eis que, se sacrificássemos a abominação dos egípcios perante os seus olhos, não nos apedrejariam eles? (Êxodo 8:26, ARC)

Nos versos acima, a palavra abominação tem forte relação com idolatria, como podemos ver. Já no trecho abaixo, de Ezequiel, abominação tem a ver com sexo imoral, mesmo:

“Um cometeu abominação com a mulher do seu próximo, outro contaminou abominavelmente a sua nora, e outro humilhou no meio de ti a sua irmã, filha de seu pai.” (Ezequiel 22:11, ARC)

Já em Provérbios, abominação está sempre relacionada com injustiça:

“Porque o perverso é abominação para o Senhor, mas com os sinceros está o seu segredo.” (Provérbios 3:32, ARC)

“Balança enganosa é abominação para o Senhor, mas o peso justo é o seu prazer.” (Provérbios 11:1, ARC)

“Abominação é para o Senhor todo altivo de coração; ainda que ele junte mão à mão, não ficará impune.” (Provérbios 16:5, ARC)

Ou seja, a palavra abominação está sempre relacionada com pecado, seja ele sexual ou não. Até porque, pecado nunca vem sozinho.

PECADO NUNCA VEM SOZINHO

Que pecado cometeram Adão e Eva, no Éden? Eles mataram? Roubaram? Cometeram sexo imoral? Nada disso. Eles desobedeceram a Deus. E por causa da desobediência o pecado entrou no mundo. A palavra “pecado”, nesse contexto, pode ser entendida em sua forma ampla. É como se “pecado” fosse um pacote que contém todos os pecados. Ou seja, pela desobediência de Adão e Eva, o pecado, ou todos os pecados entraram no mundo.

Alguns trechos bíblicos nos mostram aquilo que já desconfiamos: pecado nunca vem sozinho. Um pecado vem acompanhado de outro. E não dá pra cometer um pecado sem ter que cometer outro. Quem trai a esposa, também mente para ela e cobiça a amante, não é? E a cobiça, assim como a inveja, também estão presentes no coração do ladrão, não é verdade?

Em Romanos 1, por exemplo, o apóstolo Paulo comenta o que aconteceu com a humanidade após ter escolhido a desobediência. Esse trecho cita a homossexualidade, mas apenas com mais um dos efeitos de uma humanidade sem Deus:

“Por causa das coisas que essas pessoas fazem, Deus as entregou a paixões vergonhosas. Pois até as mulheres trocam as relações naturais pelas que são contra a natureza. E também os homens deixam as relações naturais com as mulheres e se queimam de paixão uns pelos outros. Homens têm relações vergonhosas uns com os outros e por isso recebem em si mesmos o castigo que merecem por causa dos seus erros.” (Romanos 1:25-26, NTLH)

Mas, como dissemos acima, pecado nunca vem sozinho. Veja que a homossexualidade, tão frisada por nós, crentes, é apenas mais um item em uma lista imensa de coisas abomináveis:

“E, como não querem saber do verdadeiro conhecimento a respeito de Deus, ele entregou os seres humanos aos seus maus pensamentos, de modo que eles fazem o que não devem.Estão cheios de todo tipo de perversidade, maldade, ganância, vícios, ciúmes, crimes de morte, brigas, mentiras e malícia. Caluniam e falam mal uns dos outros. Têm ódio de Deus e são atrevidos, orgulhosos e vaidosos. Inventam maneiras de fazer o mal, desobedecem aos pais, são imorais, não cumprem a palavra, não têm amor por ninguém e não têm pena dos outros.” (Romanos 1:28-31, NTLH)

E, aqui, está um problema visível no caso da novela: a cena de homossexualidade fere nossos olhos (até aí tudo bem), mas e as cenas que exaltam “todo tipo de perversidade, maldade, ganância, vícios, ciúmes, crimes de morte, brigas, mentiras e malícia”? Não são abominação, também? Não é o que os versos de Provérbios acima dizem, não é?Consumimos essa cultura insana em todas as novelas, filmes, séries, livros que assistimos. É incoerente e hipócrita da nossa parte virar o rosto pro sexo gay de “Liberdade, Liberdade” e aguardar com anseio o próximo episódio de Game of Thrones, ou torcer para o bandido em “Velozes e Furiosos”.

SODOMIA NÃO É SÓ SEXO IMORAL

Quem acha que o pecado de Sodoma foi só sexo, precisa ler as palavras do profeta Ezequiel:

Sodoma e as suas filhas eram orgulhosas porque tinham muita comida e viviam no conforto, sem fazer nada; porém não cuidaram dos pobres e dos necessitados. Elas foram orgulhosas e teimosas e fizeram as coisas que eu detesto; por isso, eu as destruí, como você sabe muito bem. (Ezequiel 16:49-50, NTLH)

Sodomia é sexo imoral, mas também é a falta de atendimento ao pobre, ao carente, ao necessitado; o político que diz que pensa no “social” mas desvia a verba da merenda, o mercado que propõe e a população de alimenta o consumismo, até mesmo a igreja que dá carros importados e viagens aos seus líderes enquanto mendigos morrem no frio. O que me faz pensar que, talvez, todos nós sejamos um pouco sodômicos, não é? Triste.

A verdade é que o pecado de Sodoma não era só sexo, mas o sexo imoral fazia parte do pecado de uma cidade de pessoas com o coração sujo, que produzia todo o tipo de pecado. Esse trecho só confirmam as palavras de Paulo aos Romanos, não é?

MÍDIA, OU MELHOR, CULTURA SODOMITA

Nossa cultura, nossa industria cultural é plenamente sodomita. Não apenas no que diz respeito ao sexo homossexual, mas no sentido amplo do conceito. Nossa indústria cultural – filmes, séries, livros, novelas, humor, musica, etc -, para usar as palavras de Paulo em Romanos 1, “estão cheios de todo tipo de perversidade, maldade, ganância, vícios, ciúmes, crimes de morte, brigas, mentiras e malícia. Caluniam e falam mal uns dos outros. Têm ódio de Deus e são atrevidos, orgulhosos e vaidosos. Inventam maneiras de fazer o mal, desobedecem aos pais, são imorais, não cumprem a palavra, não têm amor por ninguém e não têm pena dos outros”.

Ok, para quem me conhece ou acompanha o blog, sabe que também sou escritor amador, e sei que não dá pra escrever uma história sem o “vilão”, e não tem como escrever um vilão que não possua as “qualidades” citadas acima por Paulo. Mas há diferenças entre você falar sobre maldade e você romantizar ou banalizar a maldade. O que a industria cultural de hoje faz é propagar a maldade pela maldade, de maneira gratuita. Ou pior: como instrumento de doutrinação ideológica, como inclusive acontece no caso de “Liberdade, liberdade”, na minha opinião.

E é diante dessa mídia que nos prostramos diariamente. É esta mídia que consumimos, seja na Globo, Netflix ou via Torrent. E estamos tão hipnotizados que é necessário uma cena onde dois homens transam para nos despertar. Mas, estamos tão hipnotizados que logo após o fim dessa cena, voltamos ao nosso estado de inércia, consumindo toda a lama em volta, sem reclamar.

É por isso que soa tão hipócrita encher as redes sociais de tanta reclamação (que soa mais como “mimimi”) à respeito de cenas assim. Quer dizer que quando não há cenas gays, não nos revoltamos? Quer dizer que adultério entre homem e mulher pode? Quer dizer que roubo, assassinato pode? Quer dizer que um apresentador de telejornal fazer piada entre um um caso de estupro e outro de crime passional pode? Quer dizer que os estupros de Game of Thrones pode?

PECADOS MAIORES QUE OS DE SODOMA

A própria Bíblia diz, em pelo menos dois pontos, que Israel era mais pecadora que Sodoma. O primeiro a dizer isso foi o profeta Ezequiel (aliás, recomenda-se a leitura do capítulo 16 inteiro):

“Jerusalém, juro pela minha vida — diz o Senhor Deus — que a sua irmã Sodoma e os povoados que ficam ao seu redor nunca pecaram tanto quanto você e os seus povoados.” (Ezequiel 16:48, NTLH)

Depois, foi o próprio Jesus, que falou sobre Cafarnaum:

E você, cidade de Cafarnaum, acha que vai subir até o céu? Pois será jogada ao inferno! Porque, se os milagres que foram feitos aí tivessem sido feitos na cidade de Sodoma, ela existiria até hoje. Pois eu afirmo a vocês que, no Dia do Juízo, Deus terá mais pena de Sodoma do que de você, Cafarnaum. (Mateus 11:23-24, NTLH)

Esses trechos me faz refletir nas vezes que apontei a sodomia do mundo sem perceber a gravidade da sodomia que há dentro de mim, ou dos meus. Coisa para refletir.

A ESPOSA DE LÓ

Quem não conhece a história da mulher de Ló:

“E aconteceu que a mulher de Ló olhou para trás e virou uma estátua de sal.” (Gênesis 19:26, NTLH)

Quando leio esse trecho, me parece que a esposa de Ló, quando olhava para trás, estava olhando muito mais para o estilo de vida de Sodoma do que para a destruição “cinematográfica” da cidade. O que me faz lembrar de nós mesmos, feito bobos, contemplando toda a sodomia, ou seja, todo o pecado desse mundo, sentado em nossos sofás, comendo pipoca, e concordando com tudo, e às vezes se chocando com algumas cenas que não estamos tão acostumados. Será que não estamos com olhos demais para o mundo? Será que não estamos o amando demais? O quanto do nosso coração esse mundo perverso ainda detém? Essa é uma pergunta que todos nós precisamos fazer a nós mesmos, e refletir. Inclusive eu.

Não é que não podemos mais assistir nada. Nós temos um filtro, capaz analisar o que convém ou não. O Evangelho não é baseado em leis, mas sim no raciocínio de uma mente sã, transformada conforme Romanos 12:2. Em Cristo, já somos capazes de por em prática o conselho de Paulo, “observar de tudo, reter o que é bom (Tessalonicenses 5:21)”.

O quanto daquilo que você assiste, ouve, consome, te edifica? O quanto ele cabe nas palavras de Paulo aos Filipenses? Talvez esse seja um teste que todos nós devemos fazer com tudo aquilo que estamos consumindo.

“Por último, meus irmãos, encham a mente de vocês com tudo o que é bom e merece elogios, isto é, tudo o que é verdadeiro, digno, correto, puro, agradável e decente. Ponham em prática o que vocês receberam e aprenderam de mim, tanto com as minhas palavras como com as minhas ações. E o Deus que nos dá a paz estará com vocês.” (Filipenses 4:8-9, NTLH)

Anúncios