Cuidado com a armadilha do bom testemunho

Sim. Uma coisa ótima pode se tornar algo terrível em nossas vidas.

Ter um bom testemunho é deixar a luz de Cristo brilhar em você. Ser “a luz do mundo” e “o sal da terra”. Todos sabem que você é um verdadeiro crente, que não é reconhecido apenas pelas roupas, mas pela boa conduta na igreja, no trabalho, em cada, na escola, etc. Conduta essa que não e´nada mais que os frutos do Espírito Santo (Gálatas 5:22) brotando na tua vida.

Um crente de bom testemunho “cala a boca” de muitos que criticam o jeito de ser de um cristão, que atacam e caluniam quem serve a Deus. Um crente de bom testemunho é a prova viva da existência de Deus: uma pessoa pode não acreditar na existência de um “Ser Superior” ou na veracidade das Escrituras, mas diante de um crente de bom testemunho é como se ela fosse colocada diante de uma “Bíblia Viva”. E fica difícil explicar uma luz tão brilhante em um mundo de trevas e não atribuir isso a Deus. Muitos descrentes já foram evangelizados não por palavras, mas pelo testemunho de um servo(a) de Deus.

E tudo isso são apenas algumas das boas coisas que podemos falar sobre a importância de um testemunho cristão.

 

COMO ALGO TÃO BOM PODE SE TORNAR EM ALGO TÃO RUIM?

Então, nosso bom testemunho pode se tornar o pior dos nossos tropeços quando começamos a ostentá-lo, ou seja, quando começamos a acreditar que realmente somos melhores do que as outras pessoas. Quando começamos a querer créditos pelos nossos atos. Quando começamos a (e quando gostamos de) ser elogiados pelo nosso bom testemunho.

E o pior que um crente de bom testemunho será elogiado. 

Logo ele começará a ouvir que é o melhor dos filhos de uma casa, o melhor moço(a) da vizinhança, o melhor aluno da sala, o melhor funcionário da empresa, o melhor jovem da igreja. Não demorará para que ele(a) se torne no genro/nora que todas as mães da igreja estão pedindo a Deus, o preferidinho da titia, o melhor músico, o melhor auxiliar…

E, será que o nosso ego, a nossa vaidade suportará tantos elogios? Ou será que logo “compraremos” tudo isso que estamos ouvindo e de fato começaremos a nos achar melhor que os outros?

Essa é a armadilha do bom testemunho!

Na Bíblia, temos o exemplo do moço José: cheio dos dons, mas “vazio” da sabedoria, logo conseguiu despertar a inveja de todos os seus irmãos (Gênesis 37).

Também temos os exemplos de duas parábolas contadas por Jesus: a do fariseu que se achava justo demais e desprezava os outros em suas orações…


“O fariseu, estando em pé, orava consigo desta maneira: Ó Deus, graças te dou porque não sou como os demais homens, roubadores, injustos e adúlteros; nem ainda como este publicano. Jejuo duas vezes na semana, e dou os dízimos de tudo quanto possuo.

O publicano, porém, estando em pé, de longe, nem ainda queria levantar os olhos ao céu, mas batia no peito, dizendo: Ó Deus, tem misericórdia de mim, pecador!” (Lucas 18:11-13)

 

… onde Jesus disse que o publicano (coletor de impostos da época) é que seria justificado porque segundo o próprio Jesus, quem “a si mesmo se exalta será humilhado, e qualquer que a si mesmo se humilha será exaltado” (Lucas 18:14).

E ainda o exemplo da parábola do filho pródigo, onde o filho que não abandonou seu pai se achava mais digno do que seu irmão que foi embora e reclamava por se achar merecedor de receber mais do pai por causa do seu testemunho. (Lucas 15:11-32)

SERÁ QUE O NOSSO TESTEMUNHO NOS FAZ MERECEDOR DE RECEBERMOS ALGO A MAIS? 

Será que as nossas próprias obras são suficientes para nos justificar?

Não. É obvio que não.

Pense: se seu bom testemunho te faz merecedor de algo a mais, e se as suas boas obras podem te justificar, então Deus deveria te tirar algo quando você dá um mau testemunho e você deveria ser condenado por todo o mal que você faz. Isso seria justo, não?

Sim. Isso seria justo. “Olho por olho e dente por dente”, como na lei que antecedia Jesus. Mas, quem de nós, por mais que tivéssemos um testemunho irrepreensível, poderia ser salvo de acordo com esses parâmetros?

Ninguém. Não é?

É por isso que Jesus nos deu da Sua Graça, onde somos salvos pela nossa fé, e não pela nossas obras. Somos salvos sem ter merecimento algum. Como o profeta Isaías já profetizava antes mesmo da vinda do Messias:


“Ó VÓS, todos os que tendes sede, vinde às águas, e os que não tendes dinheiro, vinde, comprai, e comei; sim, vinde, comprai, sem dinheiro e sem preço, vinho e leite.” (Isaías 55:1)

Debaixo da Graça de Jesus recebemos comida, bebida e abrigo sem comprar e sem merecer, espiritualmente falando. Esse é o fundamento da Graça. E a Graça é para aquele que se reconhece como “fraco”, como disse Paulo aos Coríntios: o poder de Deus se aperfeiçoa na nossa fraqueza. (2 Coríntios 12:9). Logo, ainda que seu irmão seja mais fraco que você, ele tem direito a tudo o que você tem. Porque, como disse Jesus; tudo o que é do Pai, também é nosso.(Lucas 15:31)

SE TEREMOS TUDO DE CRISTO PELA SUA GRAÇA, E NÃO PELO NOSSO BOM TESTEMUNHO, ENTÃO POR QUE DEVO TER UM BOM TESTEMUNHO?

Você já reparou na palavra “testemunho”?

O seu testemunho ~testemunha~ alguma coisa, seja as obras de Cristo, seja as obras do mal, não é?

Se você é salvo por Cristo, lavado, remido, então você tem que testemunhar (ou seja, contar) isso para alguém, não?


“E disse-lhes: Ide por todo o mundo, pregai o evangelho a toda criatura.” (Marcos 16:15)


E é isso que o seu testemunho faz: ele prega! Ele conta para todas as pessoas que você está sendo regenerado por Cristo. Uma pessoa pode não acreditar em Jesus, mas ao ver sua conduta alinhada à Palavra, isso chamará a atenção dela. E você, que muitas das vezes era um viciado, um perdido no mundo: quando as pessoas ficam sabendo que Cristo te salvou e elas veem como a sua vida mudou, a Palavra está sendo pregada sem que você abra sua boca.

O testemunho de um crente honesto prega a honestidade de Deus. O testemunho de um crente decente prega a decência de Deus. O testemunho de um crente misericordioso prega a misericórdia de Deus. O testemunho de um crente amoroso prega o amor de Deus. E assim sucessivamente.

O nosso testemunho serve exclusivamente para isso. E não para nos acharmos melhores do que os outros, ou mais dignos das bênçãos de Deus ou da salvação.


TESTEMUNHO NÃO É PRA SER “OSTENTADO”


Se o seu testemunho prega o orgulho, a intolerância, a falta de misericórdia, de compaixão e de perdão, então ele não serve pra nada, pois esse testemunho não está testemunhando Cristo.

Pra terminar, medite nisso: “O que o seu testemunho está testemunhando?”

(Perdoem pelo texto GIGANTE, mas não teve como resumir. Sério.
Deus abençoe a todos pela paciência em ler! )

Ah: dicas de leitura:
> Isaías 55 (“Vinde e comprai sem dinheiro e sem preço”);
> Lucas 15:11-32 (A parábola do filho pródigo);
> Lucas 18:9-14 (A parábola do fariseu e do publicano);
> 2 Corintios, capítulos 11 e 12 (Sobre vanglória).

Anúncios

Um comentário em “Cuidado com a armadilha do bom testemunho

  1. Amém! Deus abençoe vc tbm pelo belo texto! O tamanho não importa qnd nos leva a refletir sobre as coisas de Deus…

    “Quanto ao mais, irmãos, tudo o que é verdadeiro, tudo o que é honesto, tudo o que é justo, tudo o que é puro, tudo o que é amável, tudo o que é de boa fama, se há alguma virtude, e se há algum louvor, nisso pensai”
    (No final da pg tem esse trecho p qm n viu 🙂 )
    Amém!

    Curtir

E você? O que pensa sobre o assunto? Comente abaixo e enriqueça a discussão!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s