NÃO IMPORTA SE É A ZILÚ, SE É A TUA VIZINHA, OU SE É ALGUÉM QUE VOCÊ NEM CONHECE. Temos o DEVER  de zelar por aqueles que estão voltando a congregar, por aqueles que se batizaram a pouco tempo e por aqueles que estão entrando pela primeira vez na igreja no dia de hoje (testemunhados).

Se você é daqueles que já nasceu de pais cristãos, então você não sabe o que é entrar pela primeira vez na igreja. A luta começa antes, quando Jesus “bate à porta” (Apocalipse 3:20) e o desejo surge dentro de nós. O problema é que junto com o desejo surge também aquela falsa imagem de que “a igreja é o lugar onde todos são santos”, e logo a gente começa a pensar: “Não sou digno de entrar nessa igreja. Olha para as minhas roupas, olha para o meu jeito!”

E aquele que ficou muito tempo parado e sente a “porta batendo”, Jesus convidando pra voltar, pensa da mesma maneira: “Tenho vergonha de voltar lá depois de tanto tempo. O que vão dizer de mim?”

Não é fácil para uma pessoa vencer essas barreiras e conseguir colocar o pé na igreja. É como dizem: “Não são as nossas forças, mas é Jesus que nos leva para a Sua casa todos os dias”. E se essa pessoa conseguiu vencer tudo isso, é nosso dever como cristãos receber, acomodar essas pessoas. Fazê-las sentir parte da família. Temos que recebê-las com sorrisos e gentilezas, e sem qualquer tipo de preconceito. Pois esta primeira experiência pode pesar muito na decisão dela de voltar uma segunda vez ou não. O Senhor sabe quais Ele salvará, mas que não sejamos nós os empecilhos para a Obra de Deus. Muito pelo contrário, que façamos a mesma festa a qual Jesus disse que há no céu quando uma alma é resgatada.

E os recém-batizados? Na minha comum Congregação, sempre aprendo do meu cooperador que não cabe a nós apontá-los e querer impor regras, dizendo o que eles podem ou não fazer. Uma vez Jesus disse que o Espírito Santo nos guia em toda a verdade (João 16:13), então deixemos que o Espirito guie a cada um.

Eu lembro da primeira vez que pisei na Congregação. Eu tinha 13 anos. Lembro que fui super bem-recebido. Antes disso, já tinha visitado outras igrejas, onde também fui muito bem recebido, por sinal. Mas a Congregação do meu bairro foi a primeira igreja onde fiz amigos, e só um jovem tem ideia de como isso é importante nos primeiros anos de caminhada.

O que me despertou a escrever sobre isso é uma foto que está circulando no Facebook onde a Zilú, ex-mulher do cantor sertanejo Zeze Di Camargo, aparece em uma “selfie” tirada de dentro de uma Congregação, onde ela está com véu e tudo. Logo algumas pessoas criticam nas redes sociais pelo fato de ela ter tirado uma “selfie” de dentro de igreja. Ok, isso realmente não é a decisão mais acertada a ser tomada por nós, que temos anos de Graça. Mas será que realmente é motivo para crucificar alguém que está voltando a congregar? Eu não posso dizer nada sobre as intenções dela e nem de nenhuma outra pessoa, pois só Deus é capaz de sondar corações, mas posso lembrar que uma única palavra é capaz de “vivificar” ou “matar” alguém que está tentando entrar pela Porta, que é Jesus. Seja essa pessoa um “famoso”, ou a “Dona Maria” que mora na sua rua.

Infelizmente ainda há pessoas que reparam quando um testemunhado entra na igreja sem as roupas consideradas “adequadas”, ou tatuagens e coisas do tipo. Pois saiba que apenas uma atitude sua pode ser o suficiente para vivificar ou para matar aquela alma.

Tomara que as nossas atitudes estejam vivificando almas.

Comente: como foi a primeira vez que você pisou em uma igreja?

Anúncios